Total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de junho de 2017

NO CORAÇÃO GUARDEI UM SEGREDO


NO CORAÇÃO GUARDEI UM SEGREDO

No coração guardei um segredo.
Que só com ele, quero dividir.
É tão belo, que sinto medo.
Que ele, um dia se possa extinguir.

No coração guardei um segredo.
Que só com ele, falo de ti.
E, transformo-me num aedo.
E, recito-lhe os versos, que te escrevi.

No coração guardei um segredo.
Quando de mãos dadas contamos as estrelas.
E, naquela praia, por trás do penedo. 

Os teus lindos olhos, brilharam com elas.
E, apontaste o teu dedo. 
A mais brilhante delas. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

NO CORAÇÃO GUARDEI UM SEGREDO


NO CORAÇÃO GUARDEI UM SEGREDO

No coração guardei um segredo.
Que só com ele, quero dividir.
É tão belo, que sinto medo.
Que ele, um dia se possa extinguir.

No coração guardei um segredo.
Que só com ele, falo de ti.
E, transformo-me num aedo.
E, recito-lhe os versos, que te escrevi.

No coração guardei um segredo.
Quando de mãos dadas contamos as estrelas.
E, naquela praia, por trás do penedo. 

Os teus lindos olhos, brilharam com elas.
E, apontaste o teu dedo. 
A mais brilhante delas. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quinta-feira, 15 de junho de 2017

NÃO SEI COMO EXPRIMIR


NÃO SEI COMO EXPRIMIR

Não sei como exprimir.
Os sentimentos que sinto.
Não sei como exprimir.
As frustrações que omito.

Não sei como exprimir.
A mágoa, que me consome.
Não sei como exprimir.
O teu lindo codinome.

Não sei como exprimir.
O teu beijo tão intenso.
Não sei como exprimir.

Tantas coisas, em que penso.
Não sei, como me exprimir. 
E, por vezes fico tenso. 

Luís Filipe D. Figueiredo 

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

NÃO SEI COMO EXPRIMIR


NÃO SEI COMO EXPRIMIR

Não sei como exprimir.
Os sentimentos que sinto.
Não sei como exprimir.
As frustrações que omito.

Não sei como exprimir.
A mágoa, que me consome.
Não sei como exprimir.
O teu lindo codinome.

Não sei como exprimir.
O teu beijo tão intenso.
Não sei como exprimir.

Tantas coisas, em que penso.
Não sei, como me exprimir. 
E, por vezes fico tenso. 

Luís Filipe D. Figueiredo 

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quinta-feira, 8 de junho de 2017

TUDO SE ALTEROU


TUDO SE ALTEROU

De repente, tudo se alterou
E, o sonho tornou-se realidade
No céu, o arco-íris pintou 
O nosso amor com reciprocidade 

De repente, os nossos corações bateram
As nossas bocas se uniram
E, os nossos corpos ardentes tremeram
Com as sensações que sentiram

De repente, o certo, e o errado 
Deixou de existir
E, eu perdidamente enamorado

Comecei a sorrir
Pois tu estavas ao meu lado
Bela, e encantadora, a rir

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

TUDO SE ALTEROU


TUDO SE ALTEROU

De repente, tudo se alterou
E, o sonho tornou-se realidade
No céu, o arco-íris pintou 
O nosso amor com reciprocidade 

De repente, os nossos corações bateram
As nossas bocas se uniram
E, os nossos corpos ardentes tremeram
Com as sensações que sentiram

De repente, o certo, e o errado 
Deixou de existir
E, eu perdidamente enamorado

Comecei a sorrir
Pois tu estavas ao meu lado
Bela, e encantadora, a rir

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

sábado, 3 de junho de 2017

SONHOS ESPALHADOS


SONHOS ESPALHADOS

Sonhos espalhados.
Certezas incertas.
Olhos magoados.
Com tantas certezas.

Alma vazia.
Coração triste.
Rua sombria.
Que percorreste.

Jornada difícil.
Porque passaste.
Carinho hostil.

Em que viveste.
Longo, e febril.
Em que morreste.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

SONHOS ESPALHADOS


SONHOS ESPALHADOS

Sonhos espalhados.
Certezas incertas.
Olhos magoados.
Com tantas certezas.

Alma vazia.
Coração triste.
Rua sombria.
Que percorreste.

Jornada difícil.
Porque passaste.
Carinho hostil.

Em que viveste.
Longo, e febril.
Em que morreste.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)



sexta-feira, 2 de junho de 2017

SÓ, E AMARGURADO


SÓ, E AMARGURADO

Só e amargurado.
Caminho sem caminhar.
E, mantenho-me parado.
Num espaço, sem lugar.

Sem triunfos. 
E, sem amor.
Surgem arrufos.
Que me provocam dor.

Só, e amargurado.
Caminho sem caminhar.
E, mantenho-me calado.

Com a alma a chorar.
Entristecido, e magoado.
Caminho sem te encontrar.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

SÓ, E AMARGURADO


SÓ, E AMARGURADO

Só e amargurado.
Caminho sem caminhar.
E, mantenho-me parado.
Num espaço, sem lugar.

Sem triunfos. 
E, sem amor.
Surgem arrufos.
Que me provocam dor.

Só, e amargurado.
Caminho sem caminhar.
E, mantenho-me calado.

Com a alma a chorar.
Entristecido, e magoado.
Caminho sem te encontrar.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

terça-feira, 30 de maio de 2017

O SOL ADORMECE, E A NOITE CAI


O SOL ADORMECE, E A NOITE CAI

O sol adormece, e a noite cai.
E, eu persigo a lua, para ver onde vai.
Falo com ela, com muito carinho. 
E, deixo-me de sentir, tão sozinho.

Digo-lhe que é bela, com emoção.
E, fico à janela, com a sensação.
Que te vou encontrar, nalgum lugar.
No céu, na terra, ou à beira-mar.

Deixo voar, os pensamentos.
E peço ajuda aos oito ventos.
Que sem hesitar, sopram bem alto
Fazendo-me levantar, os pés do asfalto 

Voando para ti, com muita paixão.
E albergando-te em mim, no coração.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)



O SOL ADORMECE, E A NOITE CAI


O SOL ADORMECE, E A NOITE CAI

O sol adormece, e a noite cai.
E, eu persigo a lua, para ver onde vai.
Falo com ela, com muito carinho. 
E, deixo-me de sentir, tão sozinho.

Digo-lhe que é bela, com emoção.
E, fico à janela, com a sensação.
Que te vou encontrar, nalgum lugar.
No céu, na terra, ou à beira-mar.

Deixo voar, os pensamentos.
E peço ajuda aos oito ventos.
Que sem hesitar, sopram bem alto
Fazendo-me levantar, os pés do asfalto 

Voando para ti, com muita paixão.
E albergando-te em mim, no coração.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)



segunda-feira, 29 de maio de 2017

SÓ EU


SÓ EU 

Só eu sinto o teu coração a bater.
E, consigo decifrar o que ele diz.
Só ele faz-me enaltecer.
E, desejar que te sintas feliz.

Só eu zelo, com este ardor.
Por este amor que me transcende.
E, se torna avassalador
A cada instante que me surpreende.

Só eu vigio o teu sono.
E, acaricio os teus cabelos.
E, te coloco num trono.

Rodeada de muitos labelos.
Só eu te proporciono.
Estes momentos tão belos. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)





SÓ EU


SÓ EU 

Só eu sinto o teu coração a bater.
E, consigo decifrar o que ele diz.
Só ele faz-me enaltecer.
E, desejar que te sintas feliz.

Só eu zelo, com este ardor.
Por este amor que me transcende.
E, se torna avassalador
A cada instante que me surpreende.

Só eu vigio o teu sono.
E, acaricio os teus cabelos.
E, te coloco num trono.

Rodeada de muitos labelos.
Só eu te proporciono.
Estes momentos tão belos. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)





 

sexta-feira, 26 de maio de 2017

POR TI, PERDI O MEDO


POR TI, PERDI O MEDO

Por ti, perdi o medo.
Desbravei o deserto.
Enfrentei o mundo.
E, senti-me completo.

Por ti, cometi loucuras.
Atravessei oceanos.
Suportei amarguras.
E, alguns desenganos.

Por ti, amei sem duvidar.
E, senti como nunca senti.
Os dias, e as noites de luar.

Por ti, senti o que senti
Ao te abraçar. 
E, ficar perto de ti.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

POR TI, PERDI O MEDO


POR TI, PERDI O MEDO

Por ti, perdi o medo.
Desbravei o deserto.
Enfrentei o mundo.
E, senti-me completo.

Por ti, cometi loucuras.
Atravessei oceanos.
Suportei amarguras.
E, alguns desenganos.

Por ti, amei sem duvidar.
E, senti como nunca senti.
Os dias, e as noites de luar.

Por ti, senti o que senti
Ao te abraçar. 
E, ficar perto de ti.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quinta-feira, 25 de maio de 2017

ACARICIO O TEU CORPO NU


ACARICIO O TEU CORPO NU

Quando a minha pele suave.
Toca o fundo da tua alma.
Não surge nenhum entrave.
E, eu te amo com calma.

Acaricio o teu corpo nu.
E, sugo os teus belos seios.
Esqueço quem és tu.
E, perco-me nos meus devaneios.

Deixando-me inebriar. 
Com o cheiro que tu exalas.
O meu coração a palpitar.

Grita, que me amas.
E, chega a suplicar.
Por o teu corpo, a arder em chamas.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

ACARICIO O TEU CORPO NU


ACARICIO O TEU CORPO NU

Quando a minha pele suave.
Toca o fundo da tua alma.
Não surge nenhum entrave.
E, eu te amo com calma.

Acaricio o teu corpo nu.
E, sugo os teus belos seios.
Esqueço quem és tu.
E, perco-me nos meus devaneios.

Deixando-me inebriar. 
Com o cheiro que tu exalas.
O meu coração a palpitar.

Grita, que me amas.
E, chega a suplicar.
Por o teu corpo, a arder em chamas.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quarta-feira, 24 de maio de 2017

NO DIA QUE TE CONHECI


NO DIA QUE TE CONHECI

No dia que te conheci.
Ouvi o mar a cantar.
E, tu estavas ali.
Nas suas ondas, a bailar.

Dançavas só para mim.
Deixavas-me fascinado.
A tua beleza não tinha fim.
E, eu estava apaixonado.

Sozinho na areia da praia.
Fitava cada gesto, que fazias.
E, a espuma que te enleia.

Tornava-te mais bela, quando sorrias.
E, eu… com os pés pregados na areia. 
Tocava piano, enquanto o ouvia.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

NO DIA QUE TE CONHECI


NO DIA QUE TE CONHECI

No dia que te conheci.
Ouvi o mar a cantar.
E, tu estavas ali.
Nas suas ondas, a bailar.

Dançavas só para mim.
Deixavas-me fascinado.
A tua beleza não tinha fim.
E, eu estava apaixonado.

Sozinho na areia da praia.
Fitava cada gesto, que fazias.
E, a espuma que te enleia.

Tornava-te mais bela, quando sorrias.
E, eu… com os pés pregados na areia. 
Tocava piano, enquanto o ouvia.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)