Total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de maio de 2015

POR TE AMAR TANTO, TANTO



POR TE AMAR TANTO, TANTO

Por te amar tanto, tanto
Cheguei a pedir ao vento 
Mas contudo, e no entanto
Não consegui o meu intento 

Para mim significavas tudo
Que um dia pensei almejar 
Foste minha por um segundo 
Ai como foi bom te amar 

Em troca desse meu amor
Não recebi contrapartida 
E, o coração esfriou de dor
Deixando a minha alma doída 

Hoje de ti, na minha lembrança 
Nada resta, a não ser a indiferença
O sonho, e a esperança
Derem lugar a esta frieza 

Contudo não me arrependo
De ter sentido esta paixão
Senti-me feliz, embora sendo
Apenas eu a entregar o coração

Sou um sonhador por natureza 
Nada me altera esta condição 
Esta é a minha certeza 
Este é a minha convicção 

Luís Filipe D. Figueiredo
2015-05-20

2 comentários:

  1. Como dói a dor de amor. Muito lindo. Obrigado, poeta.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Luis!
    O poeta mostra a essência da alma e o amor é algo sublime!
    Adorei a sua poesia!
    Um grande abraço!

    http://rapidino.blogspot.com.br

    ResponderExcluir