Total de visualizações de página

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

AI COMO EU QUERIA QUE ME VIESSES VER




AI COMO EU QUERIA QUE ME VIESSES VER 

Ai como eu queria que me viesses ver 
Só para sentir, as tuas mãos a deslizar 
Neste meu corpo que está a sofrer 
Por, estares longe, e tanto te desejar 

Ao lembrar o gosto dos teus beijos 
Sinto todo o meu corpo incendiar 
Causando-me inúmeros desejos 
E, uma vontade insaciável de te amar 

Chego até, a sentir o cheiro do odor 
Misturado, com o do teu perfume 
É tão intenso, e verdadeiro meu amor 

Que o meu corpo arde como lume 
Vem para mim, vem por favor 
E, acaba com este meu queixume 

Luís Filipe D. Figueiredo

4 comentários:

  1. Boa tarde meu querido amigo Luís Filipe Figueiredo. Como é gratificante fazer parte do seu blog. Poder ter o prazer de ler uma maravilha de poema e a música, perfeita. A foto divina. Que deslumbre de poema. Nossa que amor lindo ,esse. Amei. Parabéns meu amigo. Bj no coração

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde meu querido amigo Luís Filipe Figueiredo. Como é gratificante fazer parte do seu blog. Poder ter o prazer de ler uma maravilha de poema e a música, perfeita. A foto divina. Que deslumbre de poema. Nossa que amor lindo ,esse. Amei. Parabéns meu amigo. Bj no coração

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde meu querido amigo Luís Filipe Figueiredo. Como é gratificante fazer parte do seu blog. Poder ter o prazer de ler uma maravilha de poema e a música, perfeita. A foto divina. Que deslumbre de poema. Nossa que amor lindo ,esse. Amei. Parabéns meu amigo. Bj no coração

    ResponderExcluir
  4. Boa noite minha linda amiga andrea oliveira fico muito feliz que tenha sido do seu agrado este meu soneto. Receba o meu beijinho no seu lindo coração.

    ResponderExcluir