Total de visualizações de página

terça-feira, 20 de outubro de 2015

NÃO POSSO CALAR O MEU GRITO



NÃO POSSO CALAR O MEU GRITO

Não posso calar o meu grito
Quando me recordo de ti
Fico triste, amargurado, aflito
Ao sentir a dor que senti 

Insurjo-me, barafusto, e grito
Sempre que não te respeitam 
Revolto-me, insisto, e persisto
Neste grito que fere o peito 

Grito, e volto a gritar 
Vou gritar enquanto puder
Grito com alma a chorar

Grito em teu nome mulher
O que possam pensar 
Não me importa, gritarei até morrer

Luís Filipe D. Figueiredo

Um comentário:

  1. Lindìssimo Luis, os meus parabéns!!!! Um lindo dia para ti.... Um Abraço do tamanho do mundo

    ResponderExcluir