Total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

VICIADO EM TI


VICIADO EM TI

Viciado em ti, procuro 
Sem saber, onde te encontrar
Atravesso o jardim, salto o muro
Mas não cesso, de te procurar 

Viciado em ti, contemplo-te
E, persisto em te olhar
Imaginando encontrar-te
No espaço, ou em outro lugar

Viciado em ti, não durmo
Fico a ouvir a tua voz
Desalinhado, e sem aprumo 

Sinto este sentimento atroz 
Viciado em ti, e sem rumo 
Sou como um rio, a desaguar na foz 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

VICIADO EM TI


VICIADO EM TI

Viciado em ti, procuro 
Sem saber, onde te encontrar
Atravesso o jardim, salto o muro
Mas não cesso, de te procurar 

Viciado em ti, contemplo-te
E, persisto em te olhar
Imaginando encontrar-te
No espaço, ou em outro lugar

Viciado em ti, não durmo
Fico a ouvir a tua voz
Desalinhado, e sem aprumo 

Sinto este sentimento atroz 
Viciado em ti, e sem rumo 
Sou como um rio, a desaguar na foz 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

ÁVIDO DE AMOR, E DE DESEJO


ÁVIDO DE AMOR, E DE DESEJO 

Ávido de amor, e de desejo 
Busquei no teu corpo o prazer
E, na tua boca, o beijo
Naquele dia, ao entardecer 

Não resisti, e fui mais além 
Sussurrando ao teu ouvido
Deixas-me louco meu bem
Ai, como o teu corpo é lindo

Despi-te rapidamente
E, ao por de sol, te amei
Foi tão belo, e diferente

Que jamais esquecerei
Hoje, agora, e sempre
Para sempre recordarei 

Luís Filipe d. Figueiredo
Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

ÁVIDO DE AMOR, E DE DESEJO


ÁVIDO DE AMOR, E DE DESEJO 

Ávido de amor, e de desejo 
Busquei no teu corpo o prazer
E, na tua boca, o beijo
Naquele dia, ao entardecer 

Não resisti, e fui mais além 
Sussurrando ao teu ouvido
Deixas-me louco meu bem
Ai, como o teu corpo é lindo

Despi-te rapidamente
E, ao por de sol, te amei
Foi tão belo, e diferente

Que jamais esquecerei
Hoje, agora, e sempre
Para sempre recordarei 

Luís Filipe d. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

AMEI-TE, DE PEITO ABERTO


AMEI-TE, DE PEITO ABERTO 

A noite caía lentamente 
A lua iluminava a terra
Tornando-a diferente 
E, mais bela do que era

As estrelas, a cintilar
Exibiam a sua beleza
Tentando-se comparar 
Contigo, linda princesa

Ao inalar o teu perfume
Senti-me, de ti mais perto 
E, adocei cada queixume 

Que da minha alma liberto!
Feliz, e sem azedume. 
Amei-te, de peito aberto 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

AMEI-TE, DE PEITO ABERTO


AMEI-TE, DE PEITO ABERTO 

A noite caía lentamente 
A lua iluminava a terra
Tornando-a diferente 
E, mais bela do que era

As estrelas, a cintilar
Exibiam a sua beleza
Tentando-se comparar 
Contigo, linda princesa

Ao inalar o teu perfume
Senti-me, de ti mais perto 
E, adocei cada queixume 

Que da minha alma liberto!
Feliz, e sem azedume. 
Amei-te, de peito aberto 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

terça-feira, 13 de setembro de 2016

NUMA VIAGEM INCESSANTE


NUMA VIAGEM INCESSANTE

Numa viagem incessante 
Encontrei te no fundo do mar
O teu corpo outrora distante
Estava agora prestes a abraçar 

A minha boca procurava a tua
O teu corpo procurava o meu
E, a minha alma sentiu-se nua 
Com o gemido que a tua deu 

Movimentos lentos, e suaves 
Fizeram a nossa aproximação
Não causando entraves 

À nossa bela união 
Presenciada por peixes, e aves
Que me surgiram na imaginação

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

NUMA VIAGEM INCESSANTE


NUMA VIAGEM INCESSANTE

Numa viagem incessante 
Encontrei te no fundo do mar
O teu corpo outrora distante
Estava agora prestes a abraçar 

A minha boca procurava a tua
O teu corpo procurava o meu
E, a minha alma sentiu-se nua 
Com o gemido que a tua deu 

Movimentos lentos, e suaves 
Fizeram a nossa aproximação
Não causando entraves 

À nossa bela união 
Presenciada por peixes, e aves
Que me surgiram na imaginação

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

SEM HIPÓTESE DE RETORNO


SEM HIPÓTESE DE RETORNO

Desnudo o teu corpo lentamente
Com as mãos envolvo teus seios 
E, entrego-me deliberadamente
A amar-te, sem receios

A tua roupa largada no chão
Lembra um campo de batalha
Transmitindo-me a sensação 
Que estou no fio da navalha

Sem hipótese de retorno
Nossos corpos rolam na areia 
Tendo a lua como adorno 

O nosso amor presenteia 
E, o teu corpo ainda morno 
O meu, docemente saboreia

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

SEM HIPÓTESE DE RETORNO


SEM HIPÓTESE DE RETORNO

Desnudo o teu corpo lentamente
Com as mãos envolvo teus seios 
E, entrego-me deliberadamente
A amar-te, sem receios

A tua roupa largada no chão
Lembra um campo de batalha
Transmitindo-me a sensação 
Que estou no fio da navalha

Sem hipótese de retorno
Nossos corpos rolam na areia 
Tendo a lua como adorno 

O nosso amor presenteia
E, o teu corpo ainda morno 
O meu, docemente saboreia

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

domingo, 11 de setembro de 2016

EVOLAM NAS ONDAS DO MAR


EVOLAM NAS ONDAS DO MAR 

Evolam nas ondas do mar 
Lindas estrelas multicolores
Que de onda, em onda, a saltar 
Recordam me meus amores

Num mergulho singular 
Sem saber para onde ia
Por elas me deixei guiar
Naquele maravilhoso dia 

Extasiado então fiquei 
Quando uma; exclamou! 
Classificando me de rei 

Uma, lágrimas provocou
Pois rei, eu não serei 
Mas a minha alma, alegrou 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

EVOLAM NAS ONDAS DO MAR


EVOLAM NAS ONDAS DO MAR 

Evolam nas ondas do mar 
Lindas estrelas multicolores
Que de onda, em onda, a saltar 
Recordam me meus amores

Num mergulho singular 
Sem saber para onde ia
Por elas me deixei guiar
Naquele maravilhoso dia 

Extasiado então fiquei 
Quando uma; exclamou! 
Classificando me de rei 

Uma, lágrimas provocou
Pois rei, eu não serei 
Mas a minha alma, alegrou 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

FOI UMA NOITE ENCANTADA


FOI UMA NOITE ENCANTADA 

Foi uma noite encantada 
Que passamos ao relento
Dei-te uma rosa encarnada
Que colhi naquele momento

Foi uma noite diferente 
Esta, que vivemos outrora 
Que, jamais ficou indiferente 
Na nossa mente, até agora 

Foi uma noite marcada 
Pelo desejo intenso 
Onde o tudo, era nada 

E, nada era imenso 
Foi uma noite idolatrada 
Na qual sempre penso

Luís Filipe D. Figueiredo 

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

FOI UMA NOITE ENCANTADA


FOI UMA NOITE ENCANTADA 

Foi uma noite encantada 
Que passamos ao relento
Dei-te uma rosa encarnada
Que colhi naquele momento

Foi uma noite diferente 
Esta, que vivemos outrora 
Que, jamais ficou indiferente 
Na nossa mente, até agora 

Foi uma noite marcada 
Pelo desejo intenso 
Onde o tudo, era nada 

E, nada era imenso 
Foi uma noite idolatrada 
Na qual sempre penso

Luís Filipe D. Figueiredo 

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

terça-feira, 6 de setembro de 2016

SOU CONTIGO, AQUILO QUE SOU


SOU CONTIGO, AQUILO QUE SOU 

Sou contigo, aquilo que sou 
Sou a ave em busca do ninho
Sou tudo quando te dou
O meu amor, e carinho

Sou a montanha, e a bruma
Que encobre o teu doce olhar
Sou o mar com sua espuma
Ao sentir-te nele a entrar 

Sou o silêncio, que te envolve
Incapaz de te magoar 
Sou o vento que se move 

Espalhando o teu aroma no ar
Sou esta paixão enorme 
Que não te consigo ocultar 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

SOU CONTIGO, AQUILO QUE SOU


SOU CONTIGO, AQUILO QUE SOU 

Sou contigo, aquilo que sou 
Sou a ave em busca do ninho
Sou tudo quando te dou
O meu amor, e carinho

Sou a montanha, e a bruma
Que encobre o teu doce olhar
Sou o mar com sua espuma
Ao sentir-te nele a entrar 

Sou o silêncio, que te envolve
Incapaz de te magoar 
Sou o vento que se move 

Espalhando o teu aroma no ar
Sou esta paixão enorme 
Que não te consigo ocultar 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

ATRAÍDO POR ESTE SENTIR


ATRAÍDO POR ESTE SENTIR

Atraído por este sentir
O peito chega-me a doer
Sem conseguir discernir 
O que me está a acontecer 

O teu corpo desnudado
É tão belo, e sedutor 
Que me deixa encantado
E, torna o meu desejo maior 

Deitada na relva molhada
O meu corpo envolve o teu
E, desta forma apaixonada 

O nosso amor nasceu
Tornando-te, minha amada
Naquela, que me envolveu .

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

ATRAÍDO POR ESTE SENTIR


ATRAÍDO POR ESTE SENTIR

Atraído por este sentir
O peito chega-me a doer
Sem conseguir discernir 
O que me está a acontecer 

O teu corpo desnudado
É tão belo, e sedutor 
Que me deixa encantado
E, torna o meu desejo maior 

Deitada na relva molhada
O meu corpo envolve o teu
E, desta forma apaixonada 

O nosso amor nasceu
Tornando-te, minha amada
Naquela, que me envolveu .

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O FOGO DA PAIXÃO


O FOGO DA PAIXÃO

Arde-me dentro do peito
O fogo da paixão
O qual sem preconceito 
Faz-me sentir esta sensação 

Ao som duma flauta
Começo a imaginar
Que escrevo numa pauta
Um hino ao teu olhar 

Por companheira tenho a lua
Em todo seu esplendor
E, ao unir a minha boca à tua

Sinto o teu beijo de amor
O qual em mim perpétua 
O seu incomparável sabor.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

O FOGO DA PAIXÃO


O FOGO DA PAIXÃO

Arde-me dentro do peito
O fogo da paixão
O qual sem preconceito 
Faz-me sentir esta sensação 

Ao som duma flauta
Começo a imaginar
Que escrevo numa pauta
Um hino ao teu olhar 

Por companheira tenho a lua
Em todo seu esplendor
E, ao unir a minha boca à tua

Sinto o teu beijo de amor
O qual em mim perpétua 
O seu incomparável sabor.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

ENFEITIÇADO PELO TEU OLHAR


ENFEITIÇADO PELO TEU OLHAR 

Nostálgico, pedi ao vento
Que me levasse, até ti
Pois sinto, que não aguento 
Esta saudade que senti 

Olhos postos, no firmamento
Deixo-me, por ele guiar 
Perdendo a noção do tempo
Do espaço, e do lugar

Enfeitiçado, pelo teu olhar 
Fiquei ao encontrar-te. 
Naquele céu a relampejar 

Senti o desejo, de beijar-te. 
E, com o coração a palpitar 
Jurei para sempre, amar-te. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

ENFEITIÇADO PELO TEU OLHAR


ENFEITIÇADO PELO TEU OLHAR 

Nostálgico, pedi ao vento
Que me levasse, até ti
Pois sinto, que não aguento 
Esta saudade que senti 

Olhos postos, no firmamento
Deixo-me, por ele guiar 
Perdendo a noção do tempo
Do espaço, e do lugar

Enfeitiçado, pelo teu olhar 
Fiquei ao encontrar-te. 
Naquele céu a relampejar 

Senti o desejo, de beijar-te. 
E, com o coração a palpitar 
Jurei para sempre, amar-te. 

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)