Total de visualizações de página

quinta-feira, 2 de março de 2017

NO SILÊNCIO DA MADRUGADA



NO SILÊNCIO DA MADRUGADA

Foi no silêncio da madrugada. 
Que escutei a voz do mar.
O qual se fazia ouvir na sacada.
De onde o estava a contemplar. 

Tinha o vento a seu favor.
Que, assobiava baixinho.
Dádiva maravilhosa, de amor.
Que o trouxe com carinho. 

Maravilhado, ao fita-lo.
Não consegui evitar.
E, decidi guarda-lo.

Para mais tarde poetizar. 
Este momento singelo.
Que para vós, quero narrar.

Luís Filipe D. Figueiredo

Todos os direitos reservados
Lei de Direitos de Autor (Lei 9610/98)

Nenhum comentário:

Postar um comentário